Pesquisar Este Blog Clique Aqui Ó

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Desvendando Cientificamente o Wolverine

Enfrentar Wolverine é uma tarefa inglória mesmo para os mais terríveis vilões. Ainda que o bandido lhe fatie a carne, o herói não morre. O ferimento mortal fecha em segundos, sem deixar cicatriz. Conversamos com a dermatologista Ana Carolina Junqueira Ferolla, do Hospital das Clínicas de São Paulo, que, naturalmente, duvidou que um ser humano, sob qualquer circunstância, possa se recuperar tão rápido. “A cicatrização leva em média catorze dias.”
É que o processo ocorre em etapas. Primeiro, as células têm que se organizar e começar a se multiplicar. Depois, os vasos precisam se espalhar pelo local do ferimento para alimentar o tecido novo com sangue. Não dá para acontecer tudo ao mesmo tempo. Uma cicatrização rápida demais deixaria marcas horríveis.
A única explicação para Wolverine é que tudo no corpo do mutante funciona muito mais rápido. Talvez sua corrente sangüínea tenha uma velocidade alucinante e suas células produzam energia sem parar para manter o supercorpo trabalhando. Para isso acontecer, no entanto, Wolverine precisaria respirar bem mais rápido que os outros seres humanos e gastaria boa parte de seu tempo comendo. Afinal, sem alimento e oxigênio, não há energia para o corpo trabalhar.
A cicatrização ultra-rápida explicaria também como foi possível seu esqueleto ter sido revestido de adamantium, um metal duríssimo. Uma cirurgia desse tipo mataria qualquer humano normal, porque é impossível separar os músculos dos ossos sem provocar dores horríveis. O adamantium, descrito na história como o material mais duro da Terra, não existe no mundo real. “Nada impede, entretanto, que alguém possa descobrir algo assim um dia”, diz o químico Atílio Vanin, da Universidade de São Paulo (USP). O material mais duro do mundo é o diamante, capaz de riscar ou cortar qualquer outra coisa. Para produzir um metal que corte diamante, seria preciso encontrar uma estrutura molecular na qual os átomos estivessem ainda mais encaixados uns nos outros. É difícil, mas não impossível.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGAL NÉ? COMENTA AI VAI

comentarios